Arquivo | abril 2013

Metamorfose Ambulante

tartaruga-tigre

Como virginiana essa imagem é péssima para me representar,

mas é o que mais se aproxima de como percebi que sou.

Quem me acompanha há um tempo já deve ter percebido: eu mudo! Confesso que não entendo como algumas pessoas conseguem curtir o mesmo assunto anos a fios. Eu AMO a diversidade, me encanta as diferenças, e cada época da minha vida eu acabo me apaixonando por temas diferentes. Não é que eu deixe de gostar de um assunto, mas é que, como criança, algo acaba atraindo minha atenção com mais força que o que eu gostava tempos atrás.

Prova disso é que eu gosto de filmes, livros e quadrinhos desde sempre. Mas a cada época algo me prende com mais força e eu vou com tudo para ler e estudar esse novo universo instigante. Deixo as especialidades para quem curte especificidades. Eu sou mais como a Mundo Estranho sabe? Gosto de ter uma idéia sobre tudo. Saber nada sobre tudo. É assim que eu sou.

Já tive minha fase de descoberta do erotismo, já tive minha fase romântica, revoltada, apaixonada, cinéfila, adoradora de livros, orkut, facebook, makeholic. E mesmo essas fases eram permeadas por diversidade. Eu sempre quero ramificar meu conhecimento. Não consigo me satisfazer em saber muito sobre pouco. Perfiro o inverso. Saber pouco sobre tudo. Se eu fosse médica, seria clinica geral. Nunca seria aquele ultra mega especialista em patologias tropicais. Mas eu não poderia ser médica simplesmente porque eu tenho dó. Ter compaixão tudo bem, mas médico com dó seria uma tristeza. Quem tem dó não age, apenas tem dó. Compaixão te movimenta, te coloca em ação.

Acho que nunca vou conseguir fazer meu doutorado desse jeito…

E depois de reler meus antigos blogs no Blogger, o Capital Rosa e o Chocolat Avec Des Lettres, eu percebi algumas coisas. Primeiro: cara, eu tenho blog desde maio de 2007. Meu primeiro post foi em 24/05/2007. São quase 6 anos! Nem percebi o tempo passar. É como reler um diário: você sempre se surpreende em como se muda através dos anos.

Segundo, eu observei que eu sempre escrevo demais, assim como falo demais (de acordo com um rolo meu, mulheres sempre falam mais que homens, e ele gosta disso). Mas eu escrevia mais poesia, e percebi que passei a escrever poesia nos meus cadernos, parei de publicar. E nem sei o porque. Eu gosto de escrever poesias. Gosto de achar fotos lindas pela internet. Então quero resgatar minha poesia, meu eu escritor.

Terceiro, é que eu nunca consegui manter posts regulares. De acordo com os especialistas em blogs isso impede meu blog de ser famoso… Considerando que os meus blogs sempre foram diários públicos e não sites profissionais para ganhar dinheiro e fama. To de boa. To caminhando pelo rumo certo. São meus amigos que acompanham, e algumas pessoas que eu gosto muito na net. Tá valendo.

Então sejam bem vindos ao meu novo endereço (que deve permanecer estável agora já que paguei por ele! Rs). É, pela primeira vez eu desembolsei algum centavo pelo blog. Acho que estou ficando séria…

E se eu sumir… Devo estar passando por mais alguma mudança. Espere e verá.

Besitos!!!!

Imagem: Adaptações Aquáticas.

Anúncios

Buenos Aires – Dia 2

No segundo dia eu decidi fazer um roteiro “turismístico”. Não sei vocês, mas eu quando viajo prefiro fazer todo o turismo possível em um único dia e deixar o restante de dias para curtir a cidade.

Ah! Não vou ficar postando foto de tudo quanto é canto senão o post fica gigantesco. Caso fiquem curiosos com algum é só “dar um google” que vocês verão milhares de imagens maravilhosas, incluindo profissionais! =D E lembrem-se que meu roteiro tá superlight pois fui com minha avó, portanto nosso ritmo foi lento, com muito tempo para refeições e para apreciar a paisagem. Se quiser você pode juntar o roteiro de 2 dias que dá tranquilamente.

Acordamos cedo e fomos tomar um chá no Sasha Pasteles que fica pertinho do hotel. Pensa em chás maravilhosos, croissants perfeitos. Lá tem. Recomendo muito o Black Toffee e o English Green Morning. O Café com crema também é incrível, pois em BsAs crema é creme de leite batido para ficar cremoso. Super saboroso.

SAM_0269

De lá pegamos um táxi até o Teatro Colón. Principal casa de Ópera de BsAs, ele é enorme ocupando uma quadra inteira, tem uma arquitetura belíssima. Se quiser você pode fazer uma visita guiada a $110,00 (sempre vou dar os preços em pesos argentinos, ok?). Pessoalmente eu não quis, por que não sou uma fã de história (desculpem historiadores de plantão) nem artes plásticas (desculpem artistas). E como minhas companhias tampouco queriam, preferimos continuar nossa caminhada pela cidade.

Fomos caminhando pela Av. Corrientes e passamos pelo famoso Obelisco, onde tiramos algumas fotos. Vou ressaltar que essa área tinha uns tipos estranhos, então cuidado com seus bens! Continuamos nossa caminhada pela Av. Corrientes, de olho na belíssima arquitetura e nas lojinhas. BsAs tem esse encontro entre o antigo e o novo que tanto me encanta em cidades históricas. A foto abaixo é de uma residencia.

SAM_0295 - Cópia

Chegando em Puerto Madero fomos almoçar no Restaurante Bahia Madero. Como os porteños almoçam e jantam tarde, chegamos e estava vazio. Eu já tinha feito reserva mas foi desnecessário, porque 12h30 quando chegamos não tinha ninguém no restaurante! Começaram a chegar clientes às 13h, e o restaurante só encheu quase 14h30. O restaurante é lindo, pegamos uma mesa na varanda, de frente para o rio, e curtimos nosso almoço. O garçom que nos atendeu foi extremamente gentil e simpático, inclusive dando dicas. Todo restaurante que fomos em BsAs sempre servia uma cestinha com pães frescos e molho da casa enquanto escolhiamos o pedido no menu. Nesse veio vinagrete e um molho suavemente picante.

SAM_0309 SAM_0310 SAM_0312

Pedimos Bife de Chorizo (porção para 2), Picanha, arroz, Papas Fritas em vinho tinto suave. O Bife de Chorizo estava perfeito, suculento, assim como a picanha. O arroz blanco foi uma tristeza sem nenhum tempero. As papas (batata) fritas não tem erro né? E o vinho tinto suave não é doce tá galera? O Suave deles é com pouco tanino, o tipo de vinho que eu descobri que adoro. Ah! Toda comida em BsAs é estranhamente sem sal. Saborosa mas sem um pingo de sal. Bom para o coração. A sobremesa foi um show a parte. Pedimos uma Prova de Sobremesa, que vem super bem-servida, lindamente apresentada e serviu nós três tranquilamente! Vem Creme Catalana (predielata da vó), Pudim de Ovos e Leite , Frutas da Floresta (predileta da mama), Torta Morna de Maçã (minha predileta) e Mousse de Chocolate. Tudo saiu por $447,00 (cerca de R$180,00). Considerando que é um restaurante caro, acho que o preço foi ótimo.

SAM_0314 SAM_0317

Após a refeição maravilhosa, caminhamos um pouco por Puerto Madero, tiramos fotos da Puente de La Mujer que é uma obra arquitêtonica muito linda, visitamos o Buque Museo Corbeta A.R.A. “Uruguay” que é um navio museo cheio de história. Custa apenas $3,00 e a visita é muito rica e dá para tirar fotos lindas!

Chegando à Plaza de Mayo, visitamos A Casa Rosada, A Catedral Metropolitana, El Cabildo e o Colegio Nacional de BsAs. Aliás, sabian que a Casa Rosada foi pintada pela primeira eno séc. XIX, por uma analogia à Casa Branca? E para conseguirem a cor rosada misturaram cal e sangue de boi. Tétrico não?

De lá fomos caminhando pela Av. de Mayo Até o Congreso de La Nación, passando pelo Café Tortoni, Los 36 Billares, o Teatro Avenida, o Palacio Barolo e o Congreso de la Nación. Essa Av. de Mayo é a rua mais conhecida de BsAs, concentra cafés, teatros e lojas “turismísticas” que é uma maravilha! Minha dica: aprecie muito, tire milhares de fotos mas não compre nada. Aqui tudo é caro demais.

No Café Tortoni eu confesso que fiquei decepcionada. Ele é tão recomendado, tão aclamado. Mas foi lá que tomei o pior chá, o pior café e o pior croissant da minha viagem. Fora que o atendimento foi ridiculo, parecia que eles faziam um favor em nos atender! Não gostei e nem recomendo. No máximo entre, tire umas fotinhas e caia fora correndo! Acabei nem comprando os ingressos para o show de tango deles de tão chateada que fiquei! Foram $68,00 jogados fora.

No jantar acabamos dando repeteco no Sasha Pasteles para atacar os doces e papear.

Por que Buenos Aires para ser minha 1ª viagem internacional?

1

Imagem: Google

Eu sou uma pessoa racional. E quase sempre tomo decisões após refletir muito nos prós, contras e neutrinos da história. Então vamos ao porque da minha escolha:

  1. Câmbio. Vamos ser práticos, viajar para a Europa hoje é caro prá caramba, simplesmente porque todos os seus gastos serão multiplicados por 3 (no mínimo). Então o cafézinho de 3 euros, viram 9 reais. Mas em BsAs você divide seus gastos pela metade (no mínimo). E o cafézinho de 6 pesos virou 2 reais! Bem melhor né?
  2. Idioma. Em BsAs se fala espanhol, idioma que eu também falo. E é um idioma de raiz latina, portanto excelente para falantes de português, e mesmo se você não falar nada em espanhol vai entender e ser entendido (desde que a conversa seja mais lenta e bem pronunciada, claro!). Conhecer o idioma local ou falar um idioma próximo facilita o aproveitamento da viagem, já que você terá mais liberdade comunicativa.
  3. Tá barato viajar para Buenos Aires! Se você ficar de olho, dá para ir e voltar de Buenos Aires pagando menos de R$700,00 (incluindo taxas) nas passagens. Mais barato que ir para algumas muitas cidades brasileiras. Meu bolso agradeceu, e olha que eu sai de Brasília, que tem o melhor aeroporto internacional do Brasil (sóquenão) e tem conexão em SP o que encarece o voo.
  4. Tá aqui do lado, no Mercosul. Portanto esquece a encheção de saco para passaporte e visto. Dá para ir e voltar usando o RG mesmo. E viagem, quanto mais prática, melhor.
  5. Buenos Aires esbanja charme. Não à toa é conhecida como pedacinho da europa na América. Lá você encontra cultura, gastronomia, diversão noite e dia, transporte fácil e poder conhecer a cidade a pé.

Esses motivos foram determinantes. Mas foram baseados em razão. Há os motivos emocionais que nos levam a escolher determinadas cidades em detrimento de outras. Esses eu deixo por conta de cada um considerar.

Você conhece Buenos Aires? Gostou? Deixe uma dica, uma recomendação!

Buenos Aires – Dia 1

Depois de pesquisar muito na net e considerando todas as dicas, especialmente as da Carolina Garcia do Aonde Andei, da Marcelle no Viciada em Viajar e do Ricardo Freire do Viaje na Viagem. Decidi não fazer roteiro para o 1º dia da viagem pois, embora minha previsão de chegada fosse 13h, caso acontecesse algum imprevisto eu ficaria chateada por ter meus planos desfeitos (é, eu sou dessas que gosta de seguir o planos).

SAM_0245

Então meu único plano era chegar e relaxar no hotel! Bom né??? E assino embaixo dessa recomendação por que depois de ficar horas dentro de um avião o humor não estava bom. E as notícias das inundações em BsAs estavam me torturando. Eu já estava imaginando minha tão sonhada e planejada viagem indo água abaixo e eu sendo obrigada a ficar no hotel. Eu sou a deusa da chuva gente! Sempre que decido ir para algum lugar, começa a chover quando eu chego na cidade e para de chover quando eu vou embora. Legal né? Ainda bem  que a chuva era na parte sul de BsAs (bom para minha viagem, não para as pessoas que perderam bens e sofreram).

Voltando à viagem. Chegamos no aeroporto no horário planejado. Pegamos o Táxi Ezeiza, que eu havia deixado reservado pela internet. Paguei em $220,00 e já deixei reservado e pago o retorno (por $180,00) conforme minhas passagens. Escolhi o Taxi Ezeiza depois de entrar em contato com empresas de translado, pessoas indicadas por viajantes, etc. Foi o mais confiável e com o melhor preço.

Levamos 45 minutos para chegar ao Hotel Poetry, e nesse caminho percebi o quanto a direção porteña é agressiva. Eles encostam mesmo minha gente! Medoooo! E eu descobri que é assim sempre, por toda a cidade, então prepara o coração. Não precisamos trocar dinheiro pois eu preferi levar tudo trocado e o VTM (Visa Travel Money).

No hotel fomos recebidas pela Irina que nos disse que nosso quarto estava sendo limpo, então resolvemos almoçar e ela nos indicou o Tea Connection que fica na esquina (saia do hotel, vire à direita e vá até a esquina).

SAM_0248

Sanduiche sem graça…

 SAM_0247

Frango Xadrez delicioso que minha vó comeu.

 SAM_0246

Salada Ceasar (vem com lâminas de queijo gente!)

Tea Connection tem uma vibe natureba e não tem carne. Mas tem chás maravilhosos! A comida é razoável, mas o custo-benefício não compensa, pois é caro para uma comida meia-boca.  Minha melhor descoberta de BsAs foram os chás e infusões. O almoço saiu a $120,00 para 3 pessoas.

 SAM_0252 SAM_0255

SAM_0250

SAM_0258

SAM_0251 SAM_0257

Depois de um almoço leve voltamos ao hotel, paguei e fomos para o quarto que era maior do que eu esperava! Ficamos no Studio 1D, e nas fotos imaginei que seria apertadinho. Nada! Tem muitos armários (couberam, todas as nossas roupas – 3 mulheres), sapatos, objetos de higiene pessoal. A cama é enormeeeee e mega confortável! Eu fiquei no sofá cama (que eles chamam de futon) e quase achei mais confortável que minha cama! O banheiro é fofo, limpinho. A cozinha um charme e completinha, com café, chá, açúcar e temperinhos. Ainda tinha o Ipod (que eu não usei, mas achei fofo disponibilizarem e pode ser útil para outros viajantes) além do o telefone celular local carregado com $20,00. No banheiro tem secador e tudo que um bom banheiro tem que ter. Sou chata com banheiros, mas achei o deles bem conservado. Ganhamos uma garrafa de vinho maravilhosa, seca mas suave, um bloquinho com caneta do hotel e um guia de Buenos Aires e do apartamento que foram muito úteis na hora de adaptar os meus planos. O hotel custou U$155,00 por dia para 3 pessoas. Eu achei barato para o nível, serviço, localização e conforto dele. E recomendo demais que considerem se hospedar por lá.

Observem que lá não tem nosso vinho suave (docinho) mas o suave deles que é quase sem tanino. Então nada de boca de ameixa seca. Adoro!

No quarto desfizemos as malas, relaxamos um pouco na varanda, tomamos banho e resolvemos dar uma caminhada a esmo. Algo exploratório. Nos deslumbramos com a beleza da região que me lembrou muito o Rio de Janeiro. E resolvemos jantar no La Querencia que fica perto (saia do hotel, vire à esquerda, dobre à esquerda na esquina. O restaurante está na esquina do outro lado da rua).

SAM_0262 SAM_0263 SAM_0264

O La Querência tem um ambiente gaúcho. Suas empanadas são deliciosas, com levíssimo toque picante. Os pratos são generosos e saborosos. O atendimento foi rápido e bem simpático. Recomendo especialmente as empanadas.

Como a viagem foi com minha avó nós quase não saimos a noite, o que me obriga a voltar para Buenos Aires para sair à noite. Olha que sacríficio terei que fazer! =D

Relacionamentos à distância

frustracao urso (1)
She’s just a girl and she’s on fire
Hotter than a fantasy, longer like a highway
She’s living in a world and it’s on fire
Feeling the catastrophe, but she knows she can fly away (…)
This girl is on fire (…)
Nobody knows that she’s a lonely girl, and it’s a lonely world. 
But she gon’ let it burn, baby, burn, baby…
(Alicia Keys, Girl on Fire).

O mundo é tão solitário. Enormemente povoado de pessoas que simplesmente não querem saber. Não estão interessadas. E eu não acredito em relacionamentos à distância. São frustrantes, impessoais, imaginários. Cadê o colo, o toque, o beijo, aquela encoxada safada, o carinho, o abraço reconfortante, as palavras ditas olhos nos olhos? Cade? Tá tudo apenas na nossa cabeça. Revirando, iludindo, piorando ou melhorando conforme nosso humor/hormônios.

Tá bem, tlvez eu não acredite em relacionamentos para ser mais exata, mas isso é um problema entre meu psicólogo e eu. Sim eu sou cética e pessimista quando se trata de relacionamentos amorosos. E otimista e crente quando são amizades. Só que independente de acreditar ou não, quem nunca conheceu uma pessoa mega interessante que mora a KM de distância? Eu já conheci e conheço. Minha amiga e irmã do coração mora em Fortaleza. E nossa comunicação é por meio de precárias, emocionais e deliciosas cartas e e-mails apressados. Por amor a ela eu mantenho esse frustrante amizada à distância, simplesmente porque não quero que acabe. Eu tentei namorar à distância há uns anos, mas minha ansiedade falou mais alto e mandei tudo pro espaço.

As vezes acho que sou covarde no amor. Eu enfrento tudo que for necessário no trabalho, nos estudos. Ralo, me dedico, passo noites em claro. Por que? Simples, eu sei que todo esforço será recompensado. Eu sou prova disso. Mas quando os sentimentos entram em jogo, eu sempre viro a garotinha medrosa e trêmula que tem medo de brisa. Tem área mais complicada? O retorno do investimento não é garantido! Não existem estratégias vencedoras. Tem apenas esse obscuro feeling. E outra pessoa tendo a chance de cuidar ou não do seu coração, conforme sua vontade.

Hoje assistindo um episódio aleatório de Glee um dos personagens falou uma verdade que me bateu fundo. Foi algo como “Num relacionamento à distância nenhum dos dois está tendo o que precisa”. Talvez esses relacionamentos funcionem para as pessoas que conseguem sublimar a necessidade do outro. Da pele e do cheiro. Da voz, dos sons, dos ruídos, dos passos. Mas eu não consigo. Preciso de todo o ambiente físico proporcionado pelos relacionamentos. Meu feeling não funciona à distância. Mas a ansiedade funciona que é uma beleza.

Não, eu não fico lendo nas entrelinhas. Não, eu não fico imaginando, criando filminhos na minha cabeça. Não, eu também não tenho crises de ciúme doentio. Não, eu também não falo pelas entrelinhas. Sim, eu detesto invadir o espaço pessoal alheio. Sim, eu sei que sou covarde.

Por que escrever tudo isso? Por que eu PRECISO convencer meu coração dessa realidade. Que relacionamentos à distância não dão certo. Por que fiz merda. E como diz minha mãe: nunca jogue titica para cima por que cai na sua cara. E to aqui agora. Fazendo o que eu recomendei a todas as minhas amigas, colegas e etc a não fazerem.

A Isabela Freitas pensa diferente de mim. É uma beleza essa diversidade de opiniões. E recomendo a leitura da opinião dela.

Nós somos simplesmente diferentes demais.

Nosso caminhos nunca teriam se cruzados,

não fosse pelo gosto sádico do destino

de apresentar a pessoa perfeita no momento mais imperfeito

e na vida mais imperfeita.

Nós somos simplesmente diferentes demais.

Você riria se soubesse

Dos pensamentos insanos das possibilidades

Nós falamos. Acertamos. Combinamos.

E eu não to seguindo o acordo.

E eu sei como vai acabar.

Eu simplesmente sei como vai acabar.

E ainda assim não quero voltar atrás.

Não quero parar.

E quando tudo acontecer exatamente como sei que vai acontecer.

Eu vou olhar para trás e lembrar:

Que nós dois somos simplesmente diferentes demais.

Despir-se

despida

So close no matter how far, couldn’t be much more from the heart, forever trusting who we are, and nothing else matters. Never opened myself this way, life is ours, we live it our way. All these words I don’t just say, and nothing else matters. Metallica (Nothing Else Matters)

Ele teve essa vantagem. Meu corpo o desejou antes mesmo que meu cérebro conseguisse agir. Me expus como nunca imaginei que faria em minha vida. Emocionalmente. Fisicamente. E me confortei com isso. E adorei a sensação de muros abaixo e estar nua frente a ele. E seu olhar me confortou. Ele não se chocou com o que viu. Não me julgou. Seus olhos pareciam estar sempre interessados. Curiosos. E com isso vou me despindo mais e mais. Até que só reste eu.

Imagem: Minha Essencia.