Resenha: Fernão Capelo Gaivota



SINOPSE:Para as pessoas que inventam suas próprias leis quando sabem ter razão; para quem tem um prazer especial em fazer as coisas bem feitas, nem que seja só para elas; para as que sabem que a vida é algo mais do que aquilo que os nossos olhos veem.

Vou começar confessando que esse livro eu li quando tinha uns 8 anos e, desde então, é meu livro de cabeceira, aquele que volto a ler regularmente, que cito em palestras e aulas, enfim, é um livro que marcou a mim e a várias gerações.
Esse livro nos faz refletir sobre a nossa própria história, sobre a necessidade de sonhar e trabalhar para realizar os sonhos, torná-los realidade. É uma história sobre não se corromper, não se deixar levar, mas escrever a própria história, caminhando com os próprios pés.
Pessoalmente considero este livro uma verdadeira lição de vida.
Anúncios

Resenha: Eu Sou o Nº 4



Título Original: I Am Number FourLançamento: 2011 (EUA)

Direção: DJ Caruso

Duração: 109 minutos

Gênero: SINOPSE:Nove alienígenas fugiram do planeta Lorien, onde eram conhecidos por números, para se esconder na Terra. O objetivo era se esconder dos Mogadorians, inimigos que precisam eliminar todos eles – e na ordem certa – para que poderes especiais não possam ser usados contra eles no futuro. A caçada já começou e os números Um, Dois e Três já foram assassinados. O número Quatro vive disfarçado entre os humanos, como John Smith (Alex Pettyfer), ajudado por seu protetor Henri (Timothy Olyphant) na tranquila cidade de Paradise, em Ohio. Enquanto descobre seus novos poderes, Smith conhece a estudante Sarah Hart (Dianna Agron) e se apaixona por ela, colocando em risco a vida de ambos e o futuro de sua raça, porque o inimigo já o localizou. A sua sorte é que a número Seis (Teresa Palmer) também o encontrou e ela pode ajudar na batalha.


Esse é o tipo de filme que eu adoro assistir no cinema. Excelentes efeitos especiais, som potente e história com início, meio e fim. Se tiver continuação, assisto novamente, mas se não tiver, não morrerei de raiva. Também é um excelente filme para assistir com a galera, com a família, afinal as cenas de luta quase não tem sangue e nenhuma violência é gratuita. Aliás o filme tem direito a lição de moral e tudo. Mas bem que o mocinho podia ser o Timothy Olyphant (A Trilha, Hitman e A Epidemia) que é um tremendo gato!!!!! Aliás ele faz qualquer filme valer a pena! E a mocinha a sem sal da Dianna Agron (Glee). Blé.
Detalhe: a sinopse (como sempre) é meio nada a ver, pois está equivocada em alguns aspectos, mas beleza, sinopse de filme é como dublagem, raramente presta.
E vocês já assistiram esse filme? E gostaram?

Fotinha do Timothy Olyphant, porque eu não sou de ferro. 

Amigo Secreto Blogueiras do Quadradinho

Domingo foi dia da revelação do Amigo oculto das Blogueiras do Quadradinho. Evento mara! E foi a primeira vez que encontrei essas meninas lindas e fofas que blogam por essas bandas. Foi uma tarde divertida, curiosa e fascinante. Companhia agradável dá nisso não é mesmo?
Nossa fotógrafa oficial foi a Larissa do Diário Sofisticado.

A Mônica, do Possible Beauty me tirou! E me deu exatamente o que eu queria! =D

Eu tirei a Clau, do Garota Jambo. Adoro o nome do Blog e já acompanho ele há muito tempo! Linda ela, e muy simpática. Adorei!

No evento além dos kit que ganhamos, ainda fui sorteada! Mostro o kit que ganhei depois! Mas olha eu aqui ganhando meu kit da Diise, do Utilidades e Bobagens, nossa supeorganizadora do evento. 

Resenha: Transformers – O Lado Oculto da Lua

Título original: (Transformers: Dark of the Moon)
Lançamento: 2011 (EUA)
Direção: Michael Bay
Duração: 157 min
Gênero: Aventura
Status: Em cartaz
 
SINOPSE:
Os Autobots, liderados por Optimus Prime (Peter Cullen), participam de missões secretas ao lado dos humanos, onde tentam exterminar os Decepticons existentes no planeta. Um dia Optimus descobre que os humanos lhe esconderam algo ocorrido no lado oculto da Lua. Trata-se da queda de uma espaçonave vinda de Cyberton, comandada por Sentinel Prime (Leonard Nimoy), que desencadeou a corrida espacial entre Estados Unidos e União Soviética na década de 60. Os Autobots resolvem ir à Lua para resgatar o antigo líder, além das cápsulas que ainda estão no local. Paralelamente, Sam Witwicky (Shia LaBeouf) vive com sua nova namorada, Carly (Rosie Huntington-Whiteley), e está à procura de emprego. Ele sente-se diminuído, já que salvou o planeta duas vezes e ganhou uma medalha do presidente Barack Obama, mas nada disto parece ajudá-lo a se estabelecer no mercado de trabalho. Para piorar, Carly ganha bem e é assediada pelo chefe, o bilionário Dylan Gould (Patrick Dempsey). Pouco depois de enfim conseguir emprego, Sam recebe uma mensagem de Jerry (Ken Jeong), que trabalha no mesmo lugar. Jerry trabalhou na NASA durante a corrida espacial e agora é chantageado pelos Decepticons, que o matam. O fato faz com que Sam procure mais uma vez os Autobots, mas apesar de seus feitos do passado ele encontra resistência da nova comandante, Marissa Faireborn (Frances McDormand).
Séculos depois da galerinha ir ao cinema assistir o 3º filme da franquia Transformers, finalmente eu consegui tempo para assistir também. E AMEI. Sério adoro essa franquia. Me lembra o bom tempo em que filmes tinha início, meio e fim. As histórias tinham moral. Rsrs. Falei que nem velho agora. É a idade chegando gente….
Mas sério, a história é rica, os personagens uhlálálá. Não barra meu querido 300 em porcentagem de gatos por minuto em tela, mas não faz feio não. Gostava mais da personagem anterior já que essa ficou meio escancarado que tentaram pegar uma versão morena (leia-se Megan Fox). No mais é um filme que certamente entrará na minha coleção.

Resenha: Cidade dos Mortos


Autor: JOE MCKINNEY
Editora: Novo Século
ISBN: 9788576794554
Ano: 2011
Número de páginas: 296
 
SINOPSE
Atingida por cinco furacões cataclísmicos em três semanas, a Costa do Golfo do Texas e metade do estado da Estrela Solitária está cambaleando através da pior devastação de sua história.
Milhares estão mortos ou morrendo – mas o pior está apenas começando. Entre os destroços, algo inimaginável está acontecendo: um vírus mortal foi solto, fazendo com que os mortos voltem à vida. Famintos por carne humana, não há para onde correr. Nenhum lugar para se esconder. O número de zumbis cresce a medida que vírus se espalha rapidamente. Eddie sabe que precisa encontrar uma maneira de acabar com esses horrores ambulantes, mas não sabe o preço que terá de pagar. 


Eu sou fã de zumbis. Há muito tempo, desde que me conheço por gente para ser bem honesta. Mas esse foi meu primeiro livro do gênero, afinal zumbis não são charmosos como vampiros e lobisomens. Rsrsrs. E foi um excelente começo, pois esse livo é adrenalina pura. Sabe aquele livro que você começa a ler e depois não pára? Não consegue largar enquanto não termina? E se larga fica pensando obsessivamente nele até terminar de ler? Eis o próprio. 

– Eram zumbis! – eu disse, desesperado para desabafar. – Como pessoas mortas. Atiramos nelas, mas não caíam. Simplesmente continuaram avançando.

A capa está perfeita, belíssimo trabalho, embora a cidade da imagem me lembre muito a cidade do filme “Terra dos Mortos” de George A. Romero. A narrativa é muito envolvente e quase podemos imaginar um filme denso e tenso a partir desse livro. Em filmes e livros de terror a galera costuma ser bem bobona e sobrevivem por pura sorte mesmo, o herói desse livro tem a sorte do seu lado, mas cérebro também não falta a ele. O livro também reflete o que seria ver o mundo desmoronar a sua volta, sem que você tenha nenhum controle e sua unica alternativa é sobreviver, como der.
Recomendo o livro para quem gosta de terror, suspense e zumbis.