Arquivo | julho 2009

Sonhar

[Se podemos sonhar, também podemos tornar nossos sonhos realidade]
Walt Disney

Dizem que através de nossos sonhos podemos conhecer melhor a nós mesmos. Eu não sei dizer se é verdade.
Talvez seja.
Meu sonhos estão receheados de pessoas que conheço. Que estão perto de mim. Longe.
Não costumo me lembrar dos meus sonhos. É raro que eu me recorde do que sonhei. Mas é muito comum que eu traga a sensação do sonho, e que essa sensação permaneça por longas horas em mim.
O prazer, a felicidade, o medo.
Minha avó acredita que os sonhos nos dão dicas sobre o futuro.
Minha psicólogo fala que são desejos e temores intimos.
Quem está certa?
Não importa.
Para mim os sonhos são tudo isso e mais…
Traduzem preocupações.
Revelam desejos.
Falam do futuro.
Trazem recordações do passado.
São espelhos…
Tentar simplificar os sonhos, é como tentar simplificar o ser humano. Nós somos complexos, complicados e lindos!!!!!
Quanto aos sonhos, acredito que seja importante observá-los e buscar sentir, mais que entender, qual a mensagem que esse sonho traz.

Bons sonhos a todos!!!!

Casamento

[Pronta para casar!]

Casamento é o tema em voga aqui em casa…
Para quem não sabe, meu maninho Gatão irá se casar.
Buáááááááá
Choradeira e crises de ciúme a parte, vamos falar do tema em si.
Eu não gosto muito da idéia de me casar.
Não que eu seja contra o casamento, longe disso, sou a maior defensora e mais fiel escudeira dos casamentos. Mas é que hoje eu vejo um mundo tão banal, com casamentos banais, que se desfazem diante da primeira crise, que e frustra a idéia de casar com alguém que já entra na minha vida com um pézinho preparado para dar o fora ao primeiro sinal de problema.
Onde está aquela idéia de estar junto na riqueza e na pobreza, na fartura e na miséria, nos bons e maus momentos?
Eu não estou falando do casamento formal, aquele de véu e grinalda. Mas daquele de duas pessoas, que se unem por acreditarem que juntas estão melhores que separadas. Pois um é apoio do outro. Amor gente. Cade o amor?
Aquele que é feliz por poder fazer o outro feliz? Aquele que mesmo sem esperar recompensas acaba sendo mil vezes recompensado?
Cade a dedicação, a paciencia e a resignação?
E sério… Cadê o sexo?
Nos relatos que ouo me parece que casamento é o item mais brochante já encontrado. Cad vez menos. Cada vez mais automático.
Nem.
To fora.
Só caso se for pra amar muito. Entrega total. Vontade mesmo de fazer tudo dar certo. Se eu cogitar uma separação antes de casar, eu não caso e pronto! Oras… Se pensei nisso antes, imagina lá dentro, no dia-a-dia? Nos desafios e dificuldades que todos encontram, e que são normais?
Quero casar sim, mas não apenas pelo vestido e cerimônia. Não pelo status.
Quero casar para viver mais, ser mais, melhor.

PS: A foto eu peguei no Degusta (se não me engano…)

Novos Ciclos Velhos Hábitos

Prá começar…


VITÓRIA!

Meu suicidio social (virtual e real) valeu a pena! Agora sou uma mulher formada. Nível superior viu? Minha monografia foi um belo e redondo 10! E recomendação de transformar em artigo. Bom, eu já escolhi a revista agora é “só” transformar em um artigo minha “pequena” monografia.
Meu bebê! O parto foi doloroso, mas agora sou a orgulhosa mãe de um lindo trabalho que está só começando. a pesquisa continua agora na especialização….

Mas não é sobre isso que eu desejava falar. Meu assunto é outro. Quero falar que VOLTEI. Ao meu continho, relegado a um segundo plano escuro e sombrio, pois eu sou obsssessiva quando se trata de projetos. Mas voltei com todo meu amor e carinho. E cheia de assuntos que foram sendo guardados no meu caderninho de recordações. Logo, logo vocês perceberão todas as peripécias que enfrentei durante meu parto!

Agora ao assunto propriamente dito…

NOVOS CICLOS VELHOS HÁBITOS

Engraçado como a gente sempre acha que o futuro, com aquele desejo/sonho realizado será diferente. Mais feliz, mais esperançoso, mais bonito, mais colorido. E ele é. E não é. Por que não depende dos sonhos/desejos realizados. A beleza do futuro está no dia-a-dia em que se decide ser feliz, mais bonito, mais colorido, mais esperançoso. Aquele futuro lindo existe nesse hoje lindo.
Complicado?
Não acho.
Basta olhar em volta prá entender. Lembra aquelas mensagens de autoajuda? Elas tão óbvias. Entretanto compramos toneladas de livro para entender o que há de mais simples…

“Cada um de nós carrega o dom de ser capaz e ser feliz…”

Lembro de almir Sater? Pois é, eu adoro essa musica e a simples sabedoria dela.
Um contrato de emprego que termina. Para uns pode significar o fim do mundo. Uma tragédia Desespero e aflição. Angustia e depressão. Outros verão como oportunidade. Novos desafios. Horizontes a serem descobertos, caminhos a serem trilhados. Novos conhecimentos. Novos ciclos lembra?
Na numerologia, a cada 9 anos reiniciamos nosso ciclo de vida. No Tarot a Torre sempre cai e a Roda da Fortuna sempre gira. Na natureza as estações tornam cada ano diferente do outro. Seja qual for sua crença, a vida tem ciclos, e uma hora todos nós teremos que renovar. por bem. ou por mal.
Não que eu adore finais. Não gosto deles. Tenho problema em finalizar as coisas. Já falei disso por aqui. Mas eu doro inicios. Aquele frio na barriga. O desafio. A adrenalina. A superação. É tudo lindo. Emocionante.
Então percebe-se que sou uma pessoa em constante renovação. Ainda que eu peque em não finalizar os ciclos antigos (futuramente eu mudo isso, futuramente). Agora é hora do novo ciclo.
E a cada ciclo, a segunda parte do tírulo desse post entra em ação: Os velhos hábitos. Caramba!!!! De que adianta terminar um relacionamento se mantemos os mesmos hábitos que destruiram o relacionamento anterior? E por relacionamento entenda todos, não somente os amorosos, mas os profissionais, familiares, sociais. Aprender, mudar, renovar hábitos é tão importante quanto ser uma pessoa positiva. Sério! Se não os ciclos mudam e você não. E quando você não muda, padrões são criados. E seus finais são sempre parecidos com os anteriores.
Então sempre que notar um padrão. Ou se pegar dizendo aquela frase “de novo”. Pare, pense e mude. De verdade. Pois novos ciclos não funcionam com velhos hábitos.

Mude.
Mas comece devagar,
porque a direção é mais importante que a velocidade.
Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa.
Mais tarde, mude de mesa.
Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua.
Depois, mude de caminho, ande por outras ruas,
calmamente,
observando com atenção os lugares por onde você
passa.
Tome outros ônibus.
Mude por uns tempos o estilo das roupas.
Dê os teus sapatos velhos. Procure andar descalço
alguns dias.
Tire uma tarde inteira pra passear livremente na
praia, ou no parque,
e ouvir o canto dos passarinhos.
Veja o mundo de outras perspectivas.
Abra e feche as gavetas e portas com a mão esquerda.
Durma do outro lado da cama…
depois, procure dormir em outras camas.
Assista a outros programas de TV, compre outros
jornais… leia outros livros.
Viva outros romances.
Não faça do hábito um estilo de vida.
Ame a novidade.
Durma mais tarde. Durma mais cedo.
Aprenda uma palavra nova por dia numa outra língua.
Corrija a postura.
Coma um pouco menos, escolha comidas diferentes,
novos temperos, novas cores, novas delícias.
Tente o novo todo dia,
o novo lado, o novo método, o novo sabor, o novo
jeito, o novo prazer, o novo amor, a nova vida.
Tente.
Busque novos amigos.
Tente novos amores.
Faça novas relações.
Almoce em outros locais, vá a outros restaurantes,
tome outro tipo de bebida, compre pão em outra
padaria.
Almoce mais cedo, jante mais tarde ou vice-versa.
Escolha outro mercado… outra marca de sabonete,
outro creme dental…
tome banho em novos horários.
Use canetas de outras cores
Vá passear em outros lugares.
Ame muito, cada vez mais, de modos diferentes.
Troque de bolsa, de carteira, de malas,
troque de carro, compre novos óculos, escrevas outras
poesias.
Jogue fora os velhos relógios,
quebre delicadamente esses horrorosos despertadores.
Abra conta em outro banco.
Vá a outros cinemas, outros cabeleireiros, outros
teatros, visite novos museus.
Mude.
Lembre-se que a vida é uma só.
E pense seriamente em arrumar um novo emprego,
uma nova ocupação, um trabalho mais light, mais
prazeroso,
mais digno, mais humano.
Se você não encontrar razões para ser livre,
invente-as.
Seja criativo.
E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa,
longa,
se possível sem destino.
Experimente coisas novas.
Troque novamente.
Mude, de novo.
Experimente outra vez.
Você certamente conhecerá coisas melhores
e coisas piores do que as já conhecidas.
Mas não é isso o que importa.
O mais importante é a mudança, o movimento, o
dinamismo, a energia.
Só o que está morto não muda!