Arquivo | maio 2009

Reta Final no TCC

[Na falta de imagem que me inspire…
Vai uma novelinha mexirica, digo, mexicana]

Devido a essa loucura chamada TCC, que nos consome a vida social, as horas de sono, a alimentação saudável, os exercícios físicos e até mesmo as bitocas no namorado, acabo não tendo um pinguinho de criatividade para escrever nada que não se relacione ao meu TCC…
Pior é que além da preocupação no TCC tambpem to de olho na minha Pós… Na realidade duas Pós que estou louquinha para fazer….
E ainda to esticando o olhinho pro Nihongo/Japonês que abandonei há seis meses e venho sonhando desde então e retomar…
E tem as aulas de boxe…
As de Dança do Ventre…
O Francês …
A Acunpuntura que me faz maravilhas!
As massagens…
Aquele livro que tá na cabeceira da minha cama e eu durmo antes de pegar ele (todas as noites)…
E aquela viagem pra Buenos Aires que to sonhando…
O Festival de Inverno de Brasília que eu adoro…
Minha carteira de motorista (é, acredite ou não não tive tempo de tirar até hoje… – em junho ela sai – I promisse…)
E…
Aiaiaiaiaiaiai
Aqui estou eu divagando na falta de coisa melhor prá dizer…
Pensei até em falar da falta do que falar (dá muito assunto, acredite) mas também me fugiu a paciência e a vontade de falar…
Vou parar aqui mesmo…
Não to produtiva hoje…
Basta ver o excesso de três pontinhos que eu estou usando neste post…
Aff…

Anúncios

Nojo!

Passeando ple NET em busca de imagens para minhas Férias Frustradas a lá Guia Quatro Rodas e me deparei com essa sequencia do fotos da Formiguinha. Huahauhauahaua



E se?


E se fosse tudo bem diferente do que é?
Se o amor não fosse raridade, se fosse lugar comum no mundo?
Se gentileza estivesse presente em cada ato?
Se preconceitos existissem apenas nos dicionários?
Se sexo não envolvesse tabus?
Se cada ser humano fosse respeitado?
Se cada ato violento fosse trabalhado para nunca mais se repetir?
Se ninguém pensasse em violar direitos, desejos, sonhos e corpos de outro alguém?
Se a felicidade estivesse em cada esquina e pequenos gestos?
Se a paz fosse obra comum e não desculpas para mais violência?
Se o diálogo e o silêncio fossem o principal meio de comunicação?
Se homens e mulheres, mesmo diferentes, fossem copreensivos suficientes para se entender?
Se ninguém tentasse dominar ninguém…
Se todos aljudassem um alguém.
Se perdoar fosse regra e não a exceção.
Como seria um mundo assim?
E se…?

Final de Semana em Caldas Novas – O Desastre…

Fim de semana passado resolvi estrear em Caldas. Todos me falaram maravilhas de lá. E realmente, comi uma pizza divina, tomei um sorvete divino, me acabei na Costelinha do Papas, me deliciei com o Café da Manhã Colonial de uma padaria da Região. Caldas é uma cidade linda. Voltei com vestidinhos lindos e baratinhos. Tomei um suco de milho maravilhoso! Acho na Mãe e Filhas… Mas vivi um inferninho no hotel onde me hospedei. Leiam abaixo a cartinha que tentei enviar pelo site da Rede Di Roma mas não consegui, então enviei para a Equipe do Guia Quatro Rodas, pois é inadmissível tanta falta de higiene em um só lugar!

Boa tarde,

Estive hospedada no Di Roma International Resort entre os dias 01 e 03 de maio de 2009, juntamente com minha mãe, em um apartamento, e meu irmão e cunhada que ficaram em outro apartamento. Infelizmente não foi a melhor das experiências como eu imaginei que seria, afinal, foi meu primeiro final de semana em Caldas Novas. Fiquei com impressões muito negativas do Di Roma International Resort ao qual certamente não retornarei. Falo por meus familiares ao afirmar que não retornaremos, tampouco recomendaremos este Resort em Caldas.

Primeiramente fiquei chocada ao entrar no meu apartamento e sentir um mau cheiro insuportável. Encontramos louças na pia que estavam mofadas de tão velhas. Ficamos (eu e minha familia) assustados com a falta de higiene e ligamos para a recepção, onde fomos informados que o não era de responsabilidade do hotel a limpeza da louça suja, visto ser um apartamento alugado por terceiros. Confesso que fiquei chocada. As copeiras arrumam o quarto, trocam lençois mas não higienizam o local? Como expliquei à recepção, é a imagem do Di Roma International Resort que me vem à cabeça quando penso naquela imúndice da cozinha. Afinal se são capazes de deixar as louças sujas, certamente higiene não é prioridade da administração local. Tomei o cuidado de usar minhas próprias toalhas e lençóis (sempre levo por precaução). Complemento que as toalhas e os lençóis deixados no meu quarto cheiravam a mofo, roupa velha não arejada.

A mesma cena se repetiu no apartamento em que meu irmão ficou com minha cunhada. Louça suja e mofada na pia, lençóis com odores desagradáveis.

Resolvemos sair para jantar em Caldas pois duvidamos da higiene da cozinha do Resort. Honestamente não comi nada do local. Tomamos café da manhã, almoçamos e jantamos fora do hotel, todos os dias.

No dia 02/05/2009 acordamos tarde e saimos para tomar um brunch pois sou fotosensível e só entro em piscinas a partir das 16h00. Cerca de 16h00 ou 17h00 fomos a uma das duas piscinas de adultos com água quentes, a que é coberta, para desfrutarmos do Hotel. Só que a água recendia à urina. Minha cunhada que já ficou no CTC anteriormente, meu irmão e minha mãe que ficaram no Rio Quente (acho que é esse o nome) e meus amigos, hóspedes do Hot Springs, me diziam que a água era morninha, gostosa, ecelente para descansar. Tudo que encontrei no Di Roma Resort foi uma hidro de xixi e uma piscina que devia ser morna de urina! Perdoe o exagero, mas é simplesmente nogento entrar em uma piscina que rescende a urina!

Troquei de piscina (fui para a de baixo, próximo aos jogos e à butique) e o cheiro, apesar de mais suave também estava presente. Ousei experimentar a de água gelada, com os tobogãs, mas o clima estava fechado e não consegui ficar nela muito, pois era a única a não feder banheiro de rodoviária. Às 18h00 saí da piscina de água gelada pois estava frio e os tobogãs foram fechados. Não sei se fiquei 1 ou 2 horas nas piscinas do Resort, mas foram suficientes para nos convencer, definitivamente, a sair de lá mais cedo, no dia 03/05 e voltar para Brasília, onde poderíamos fazer algo relaxante sem a falta de higiene com as quais nos deparamos.

Aliás fica um elogio: a piscina de água gelada estava muito boa (ainda não decidi se pela ausência de cheiro de mijo, ou se eu queria que algo nesse Resort valesse o dinheiro que investi nele. Afinal paguei à vista e adiantado, para ficar relaxada no hotel). Ah! Gostei do preço do chapéu e das duas adoráveis chinelinhas de palha que eu comprei. Isso também foi bom.

Finalizo explicando que higiene é essencial para a manutenção da saúde. Quartos que fedem a mofo, comida estragada nas pias, lençóis e toalhas que cheiram a roupa velha não arejada, e piscinas recendendo a mijo não são atrativos a nenhum ser humano. E quando reclamei pessoalmente recebi a simples e clara explicação que: as copeiras não tem responsabilidade de lavar louças nos quartos. Quanto ao odor desagradável das roupas e o cheiro de urina nas piscinas nem explicação me deram. Quando solicitei um impresso para fazer minha reclamação por escrito, recebi um livro-caixa preto, para que eu escrevesse na última folha, aquela em branco, dos livros-caixa. Não acredito que algo seja feito com aquilo além de direcioná-lo ao lixo. Se estiver errada, me perdoem, mas estou desacreditada da Rede Di Roma. Às quais não recomendo a ninguém.

Finalizo explicando que, as explicações que porventuram venham, quando uma pessoa visita Caldas para relaxar e se divertir num Resort, renomado como o Di Roma, imagina que relaxará, não que acumulará reclamações. As mesmas reclamações estou enviando para a empresa que me locou esse apartamento, à qual deveria ter me explicado essa falta de consideração com o hóspede que o di Roma pratica. Mas confiro maior culpabilidade pela falta de higiene à administração do Resort, que está presente no local e provou não prezar pela higiene em suas demais instalações, não apenas àos quartos. Sendo que esta deveria repensar sua política de higiene e atendimento à hospedes em seu condomínio. Pois a imagem atrelada à falta de higiene nos quartos não será do locatário ou locador, mas do administrador, que é capaz de fornecer serviço de quarto mas exclue a higienização neste serviço oferecido, o que para mim, resulta em nada. Pois o que recebi da administração do Resort foram toalhas e lençóis não utilizados.