Arquivo | abril 2009

Reputação X Caráter

Por que você me conhece, não significa que você me conheça!

As pessoas realmente acreditam que no conhecem profundamente. Que são capazes de dizer cada ato e fato. Ledo engano. Puro engodo.
Se eu mesma me surpreendo sempre, acha mesmo que não vou surpreender você e sua “bola de cristal”? Há!

Ninguém vem com manual de instrução. Em relacionamentos é somente a intuição para dizer vai, num vai. É erro e acerto. Perdão e perdoar. É amar. Jamais considerar-se PhD no outro. uma vida inteira estudando e analisando o outro não basta. Quando você menos esperar as coisas mudam, o mundo gira, e você se encontra a 180° oposto ao ponto inicial.

Diálogo e compreensão do “Infinito Particular” de cada um é única e segura via de convivência.


“As circunstâncias entre as quais você vive determinam sua reputação.

A verdade em que você acredita determina seu caráter.
A reputação é o que acham que você é.
O caráter é o que você realmente é.
A reputação é o que você tem quando chega a uma comunidade nova.
O caráter é o que você tem quando vai embora.
A reputação é feita em um momento.
O caráter é construído em uma vida inteira.
A reputação torna você rico ou pobre.
O caráter torna você feliz ou infeliz.
A reputação é o que os homens dizem de você junto à sua sepultura.
O caráter é o que os anjos dizem de você diante de Deus.”
[Arnaldo Jabor]

Anúncios

Bissexualismo

Ultimamente todo mundo quer ser bissexual. E isso me faz questionar: isso é moda? Ou somos seres bissexuais?

Bissexualidade, “relativo ao relacionamento sexual com indivíduos dos dois sexos”, é inerente ao ser humano. Mas temos [des]educação sexual tão repressora que somos incapazes de admitir certas aspectos de nossa sexualidade. Reprimimos tudo, e depois ficamos sem entender os por quês disso e daquilo.

Dizem que o espírito é assexuado. Não tem sexo. Então por que os nossos desejos tem que ter?
Dizem que tesão não é pelo sexo do outro, mas pelo cheiro, pela pele, pela voz, pela pessoa. Então por que exclui-se daí, todos os cheiros, peles, vozes e pessoas do mesmo sexo que o nosso? Isso representa 50% das possiblidades!

Homens. Mulheres. Somos todos excitantes. Excitáveis. Nossa sexualidade é linda. É sexy. É charmosa e nos preenche a alma.

Não faço apologia ao sexo desregrado, como muitos podem pensar ao ler este post. Mas acho o sexo algo tão sublime e tão injustiçado que eu tinha que falar.

Não acredito que fazer sexo com uma pessoa diferente por dia seja bom. Ao contrário. É [muito] prejudicial. Eleva os riscos de contaminação por HPV. Aumenta as chaces de contrair diversas DST’s. Enfraquece nossa alma, sedenta de amor. pois sexo com tantas pessoas diferentes não favorece o companheirismo e descoberta, mas o individualismo do “só meu prazer importa”.

Sexo que machuca (desculpem-me os praticantes de Dominação, Sadismo e Masoquismo) física ou espiritualmente não me parece bom. Lutamos tanto contra o Bulling, Assédio Moral, Violência Doméstica. Batalhamos por uma sociedade não violenta. E queremos inserir a violência no ato mais íntimo e sublime do ser humano? Me parece contradição. Sexo deve nos enlevar, excitar, alegrar, inspirar, acarinhar. Sexo existe para nos preencher e fortalecer elos de amor e carinho. Humilhação, escravidão, machucados, marcas roxas, é tudo tão anti-amor, anti-saúde. (Veja que exclui o Bondage por enxergar essa prática como um plus, um acessório, um brinquedo para a atividade sexual).

Minha vontade aqui, é pedir que as pessoas parem de se reprimir. Que permitam-se, e aos seus corpos, a expressão sexual. Percebam que sexo é o apice do envolvimento. Afinal, não permitimos estranhos em nossas casas, por que permitiríamos em nosso corpo? Ele é lar de nosso espírito.

Sexo não é brinquedo. É uma importantente parte de nossa vivência como seres humanos, sexuais, sociáveis e relacionáveis. Não somos amigos de estranhos. Não declaramos amor eterno à pessoas que acabamos de conhecer. E não restringimos nossos sentimentos, amor, carinho, afeição e amizade ao sexo oposto. Por que fazer isso com nossa sexualidade? Por que expôr nossa intimidade ao alcance de qualquer um? Seja na boate, seja no barzinho, seja no serviço, seja com um desconhecido?

Vamos vivê-la em plenitude e respeito. Buscando conhecer nós mesmos, nossos corpos. Para termos na sexualidade uma fonte de prazer e harmonia. Jamais uma fonte de frusrações, desequilíbrios e pesadelos.

Sexo só é bom quando feito com amor!

Memes do Olavo

Os memes aqui respondidos me foram repassados pelo Olavo, do Traços de um Homem

1) O que te move?

Sede de vida

2) O que te levou a escrever um blog?
Necessidade de desabafar

3) Um grande defeito seu?
Mandona. Esse ganha de todos.

4) Uma grande virtude sua?
Carinho. Sou muito carinhosa e atenciosa com todos. Sem discriminação.

5) Um desejo realizado?
Paz em casa.

6) Um desejo a realizar?
Formatura

7) A maior loucura?

[copio o Olavo] Querer casar!!!!!

Meme5 minutos a mais por hora, rende ao final do dia 2 horas a mais…

O que você faria?
Eu ia praticar boxe por 1 hora e dormir na outra…

1) Pegue o dicionário, de preferência de língua portuguesa, mais próximo que você encontrar;
2) Abra esse dicionário em qualquer página;
3) A primeira palavra que você ver, pegue para si, e a digite no “Google Imagens“;
4) Faça uma postagem dizendo que palavra foi essa e mostre o primeiro resultado de imagem conseguido digitando essa palavra.

E.lu.ci.dar vtd Esclarecer, explicar bem.
Ver: Minidicionário Melhoramentos

Repasso esse memes a todos aqueles que eu linko!

Enquanto Seu Lobo Não Vem…

Por que as mulheres preferem o Lobo Mau:
Ele é grande
Com mãos enormes
Tem a língua habilidosa
Ouve melhor
Vê melhor
Fareja melhor
E no final ainda nos come!
As mulheres passam a vida sonhando com Prícipes Encantados, fugindo do Lobo Mau e caindo nas garras de patéticos sapos desencantados. Sério. Constatação fruto da observação continuada de 23 anos de vida.

Elas idealizam, sonham, almejam, desenham, etc. E o cara perfeito nunca aparece. Aquele ser lindo, inteligente, bem de vida, comunicativo (mas não mais do que nós), charmoso (mas não mais do que nós), bem-sucedido, de quem podemos nos orgulhar, não existe. E quando se depara com isso a mulherada pira e cai nas garras do primeiro sapo disfarçado de príncipe amaldiçoado que aparece. E dai é uma vida inteira tentando transforma sapo em príncipe. Haja ilusão. Haja desilusão!

Porque ninguém quer o Lobo Mau? Veja bem: ele é sincero. Você sabe que ele quer é te comer, mas não é isso que você quer dele no final? Que ele te coma gostoso? Te faça urrar? Gemer? Gritar? Pois é… Ele também quer.

Lobo Mau nunca tá comprometido, o que o torna perfeito para todas as ocasiões. É quase aquele conjunto (bolsa, sapato e vestido) estratégico que toda mulher tem no armário. Não sabe o que usar? Vai de Lobo Mau. Não sabe o que comer? Vai de Lobo Mau. Enfim, use e abuse. Só não seapegue, porque Lobo Mau que se preze desaparece ao primeiro sinal de apego.

Lobo Mau costuma ter um bom papo. Ele sempre te ouve, te vê, te fareja.É incrível como ele sempre nota o corte novo, o perfume diferente. Excitante e de bom papo. Ele é um coringa feminino.

A unica contra-indicação: Lobo Mau não muda. Portanto ele não vai deixar de ser Lobo Mau e virar Príncipe. Até porque se ele virar príncipe, acabou a diversão. Papai-e-mamãe todo dia. 69 e frango assado vão virar Sexo Exótico para momentos especiais. Anal? Jamais. Oral? Esquece. Princesas não fazem isso… A não ser que o piu-piu esteja lavadinho, com sabonetinho Francês, talquinho e perfuminho. E quando for gozar avisa que ela tem que fazer cara de nojinho.

Lobo Mau em fim de carreira também é furada. Vira metralha. Sem alvo, sem direção.O desespero tálá. Latente.

Mas peraí… Sem Príncipe, Lobo Mau e Sapo, resta quem para o “Felizes Para Sempre…”?

Sobra a floresta inteira filha! Acorda. E eu recomendo o Seu Lobo. Muito parecido com o primo distante Senhor Lobo Mau, o Seu Lobo também te vê melhor, ouve melhor e te come de tudo quanto o jeito, com uma vantagem essencial: o Seu Lobo tá procurando uma Dona Loba, cheia de charme e tesão. Sem frescura e tabu.

Mas se você quiser sempre tem outras opções… O Tio Urso, o Primo Tigre, o Amigo da Onça…

Imagem e Ação

Recentemente estive na casa de uma colega jogando Imagem & Ação com alguns amigos. O jogo foi bem banal e típico. Mas às 01h00 da madrugada, sem ninguém querer ir para casa, resolvemos brincar de “Eu nunca…”

Nota: “Eu Nunca…” é um jogo, onde todos ficam com um copo de água, refri ou cahaça na mão. Cada pessoa (em ordem horaria ou anti-horária) dirá o que nunca fez (pode blefar). daí todos que já tiverem feito tem que tomar um gole, meio gole, o copo (depende do acordo). O fato é que esse jogo tem por objetivo principal alimentar os fofoqueiros de plantão de informações novinhas e frescas.

O início do jogo foi frugal como o início de qualquer jogo desse nível. Mas é óbvio que após a 5 ou 6 pessoa o assunto focou em sexo. Num grupo composto por maioria masculina, a testosterona rolou solta e foi uma competição de beber água que deixou os rins desse pessoal bem feliz e agradecido.

Num forma alternativa de contar vantagem, todos os homens já fizeram sexo das mais variadas formas, lugares, posições e parceiras, incluindo aqui os que não se lembram de algumas parceiras e trocam seus nomes no vuco-vuco. Peraí! Como assim trocar o nome? Imagina você lá, gostosinho com o grandão, naquele to chegando lá e ele te chama de Fulana? Tem coisa mais brochante que ter certeza que você é só mais uma na cama do FDP que nem vergonha na cara de disfarçar ele tem? Faz cola, escreve na mão, mas não troca o nome! E não vem com benzinho, querida, bebe, anjo, e cia. Que eu tenho nome e quero ser identificada, principalmente depois da malandragem ouvida… Porque se eu te chamar de Marcão, você não vai gostar nada, vai?

Nenhum nunca fez sexo anal (falta de vontade, oportunidade ou aceitação? Ou vergonha de admitir que fez ou faz?). Fala sério. Nem uminha? Prá experimentar? Porra. O tabu com sexo anal é tão grande! Vamos e convenhamos que, no mínimo o dedinho já foi. E que o dedinho é gostosinho isso ele é… Quem não experimentou, pesquisa, faz com carinho e calma, que sexo anal é bom sim.

Sexo em público foi meio a meio. Sério. Eu tenho tendencia Voyeur e Exibicionista. Já deixei levantarem minha saia e amei. Já fiquei nua com a janela aberta sebendo que o vizinho estava me vendo e me excitei demais. Já espiei outros fazendo sexo e foi muito bom. Então esse item, tem que rolar. Numa boate, quietinho e gostosinho. Num cantinho. No barzinho. No acampamento. Aliás a natureza é sempre um convite ao sexo. Mas eu entendo que há pessoas tímidas. Eu não costumo fazer parte desse grupo.

Sexo oral foi unânime.Mas também, que nunca recebeu, tem que se conscientizar do que está perdendo, e quem nunca fez, não sabe como é bom olhar o rosto do outro, apreciar todas as fases da excitação. A expressão, oral atrevida,ora absorta, ora em gozo. É lindo! Dar prazer é tão ou mais gostoso que receber.

E ninguém perguntou de um acessóriozinho. Tabu mais brega e desatualizado. Brinquedinhos são um extra essencial. Aquele plus ultra mega salavador.

Mas vamos à reflexão que faloi… Tem coisa mais chata que falar de sexo, ficar excitado e sair sozinho como chegou? Bahhhh. Coisa besta, falar um monte, todo mundo doido por uma orgia e terminar a noite no sexo solitário. Dispenso esse tipo de brincadeira.

Mas como tudo,teve um lado bom: descobri alguém tão tarado quanto eu… Vale investir…

Biscoito da Sorte

Não contemple o céu do fundo de um poço.
Não dê atenção às palavras vãs de más línguas.

Mais um dia no China In Box, desfrutando daquele tradicional Yakisoba Clássico e o pecado de uma Banana Caramelada. Parece propaganda… Kkkkkk Mas saibam que eu não estou ganhando comissão não viu?
Lá vem aquele maravilhoso biscoitinho da sorte desprezado por muitos. O meu veio com o conselho acima. E sabe que me caiu melhor que o fabricante de biscoitinhos da sorte poderia imaginar?

Sabe todas as vezes que eu gritei ser uma mulher segura e autoconfiante? Mentira.

Verdade seja dita e admitda. Em semi-escuridão que na claridade dá vergonha…

Tem 6 meses que eu venho me sentindo mulherzinha. INHA mesmo. Bobinha. Fraquinha. Envergonhadinha. Manézinha.

Segura e autoconfiante eu sou. Mesmo. Exceto nos relacionamentos.
Me explica: como uma mulher que adora trabalhar, cheia de autoconfiança profissional, verdadeira conselheira sentimental que já salvou dezenas de relacionamentos, invejada pela beleza e sucesso (modéstia ficou de lado para os pingos ficarem claros), consegue ficar que nem uma idiota quando se trata dos caras por quem tenho interesse real?
Porque os ficantes, rolos e pegáveis são fichinha. Esses eu não tremo na hora de tomar atitude. Vou lá e pronto. Se quiser, pega. Se não, segue a fila.
Mas quando conheço aquele que reune características que eu sei, representam perigo real de chegar ao meu coração, eu entro num processo de autosabotagem que não tem fim! É um tal de parecer uma égua chucra, ranhetar por picuinhas, que fico com vergonha de mim mesma depois. Como diz meu sobrinho: me racha a cara!
Nessa brincaderinha de mau gosto do meu eu comigo mesma, fazem 3 anos que eu não engato um namoro decente. E eu não sentia falta. Mas agora… Venho sentindo vontade de pular a pegação e o rolo. To querendo algo mais… Queria o aconchego de um colo sabe. Abraço descompromissado. Bitoquinha. Essas coisinhas básicas, que não há sucesso profissional que substitua…

E isso vem me fazendo sentir que estou como aquela imagem lá encima. No fundo de um poço sentimental. Percebendo que estudos e trabalhos não substituem um coração leve e caloroso. Que eu abriria mão, de bom grado, de algumas atividades do meu dia, em prol de não fazer nada ao lado de alguém.

E isso me leva a questionar até onde vale a pena essa dedicação integral ao meu desenvolvimento profissional e intelectual.

Palestrar

Falar em público não é algo fácil de ser feito.

Os anos passam, e o frio na barriga continua. O nervoso não cede.

O medo de dar branco, trocar falas, nomes, etc, é rotineiro. E nesse caso a rotina não te torna mais calmo, ao contrário. A pressão aumenta proporcionalmente, afinal você passa a ser “experiente”.

Minha experiência como palestrante (incluo aqui os anos de apresentações escolares) sempre foi muito positiva pois sou extremamente comunicativa. Não costumo ter tabus, e nunca perdi o norte em uma palestra. A experiência do teatro ajuda muito no branco (é, ele acontece sim), improviso com base no que sei. Mas sem preparação, acredite: dá muito branco e você fica sem ter a mínima idéia de como improvisar.

Hoje presenciei uma cena cômica: Uma defesa de tese em que o cara ficou lá , gaguejando, mudo, no branco… Era um tal de ééééééé huummmm errrrrrr Beemmmmm…

Veneno a parte, isso me lembrou de deixar umas dicas pro momento palestrar que todos vivemos uma vez na vida.

  1. Prepare-se. Sério. Estude o assunto, leia bastante.
  2. Prepare um roteiro da palestra. Mas nada de texto, quem está falando não tem tempo de ler. Escreva títulos. Por exemplo: 1- O que é o amor? 2- Diferença entre AMOR e PAIXÃO.
  3. Se for usar apresentações use o mínimo de palavras (é melhor evitar usar frases) e a regra “O menos é mais” é de ouro.
  4. Treine, ensaie. Seja para o cachorro, periquito, espelho, peixinho, irmão, tio, amigo ou platéia imaginária. Ensaie. Ajuda a superar o nervosismo. E cogite perguntas.
  5. E chegue ao local com antecedência. Assim você se habitua ao ambiente.

Esse é o roteiro básico de qualquer apreentação. O resto é confeti. E muito pessoal. Cada palestrante tem seu jeito, seu estilo.