Mark Darcy


Mas o que é que torna Mark Darcy tão perfeito? Ele é o que eu chamo: o galã encoberto, ou seja, o homem que, como não dá nas vistas como Daniel Cleaver, nunca é a primeira opção, é sim o homem que sempre esteve ali à mão mas que só reparamos quando percebemos os sacanas que são os outros todos e o erro que temos estado a cometer. De repente, o homem que veríamos apenas como amigo tem uma chancee revela-se como sendo, afinal, tudo aquilo que andávamos à procura.
O único defeito apontado a Mr. Darcy por Bridget é o mesmo que já lhe tinha sido apontado por Jane Austen, o orgulho e a arrogância. O título Pride and Prejudice refere-se aliás às primeiras impressões que Darcy e Lizzy tiveram um do outro. No entanto, no decorrer do livro, Lizzy percebe que o que tomou como arrogância era apenas timidez e Mr. Darcy passa a ser visto com novos olhos. Em Bridget Jones, é também a arrogância e orgulho de Darcy que separam os dois, primeiro quando não a defende no jantar dos advogados e depois quando se recusa sequer a dar uma resposta, ou satisfação, quando Bridget lhe pergunta se ele tem um caso com a colega de trabalho. Um simples “não é nada disso, blablabla” teria evitado a separação mas sem isso não havia filme, eu compreendo.
Darcy é um homem bem apessoado, sério, com uma expressão fechada de quem pensa muito, bem vestido, bem sucedido, preocupado com os direitos humanos, um homem reconhecido pelos seus pares, com uma bela casa, educado, inteligente, com dinheiro, um homem que luta para que este seja um mundo melhor, um homem que diz que nos ama pelo intercomunicador mesmo sabendo que vai ser gozado pelos babacas que estão no café ao lado, um deus do sexo (como a própria Bridget lhe chama, acho que a expressão é esta), um homem que nos diz que gosta das nossas “partes não tão bonitas” (que incluem pele e gordura extras, flacidez e celulite) e melhor que isso, diz isso com sinceridade, um homem que quando lê as barbaridades que escrevemos no nosso diário sobre ele nos oferece um novo para que possamos começar do 0, um homem que corre o mundo inteiro num avião para nos tirar da cadeia mesmo estando chateado connosco e convencido de que estávamos dormindo com o seu pior inimigo, um homem que não entra em pânico e fica feliz quando dizemos: “acho que estou grávida”, um homem que bate nos homens que nos tratam mal, um homem que diz gostar dos nossos pratos mesmo quando estes são intragáveis, um homem que nos pede em casamento depois de lhe fazermos a declaração de amor menos romântica possível, um homem correto, em suma, um homem como Deus e a mulher quer.
Mas como em tudo, tinha de haver um senão, um homem assim só podia ser fruto da imaginação não de uma, porque mesmo uma não conseguiria ser assim tão optimista, mas de duas mulheres, Jane Austen e Helen Fielding. Colin Firth tornou-o mais real, deu-lhe corpo, deu-lhe voz, deu-lhe expressão, e deu-nos a nós a esperança de que tudo isto possa não ser apenas uma ilusão e que há para cada mulher um homem perfeito à sua espera.

[texto com modificações]
[Por Joana Linda]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s