Quem disse?

Quem disse que tinha de ser pra sempre?
Quem foi que impôs a condição de eternidade para o amor,
Para a alegria ou para a dor?
Quem foi que falou que errando é que se aprende?
Quem foi o estúpido que disse
Que é perdendo é que se dá valor?
Tá errado…
Quero que meu amor dure o tempo certo
Desde que um beijo sempre aqueça meu coração
E que esse beijo me ensine
Que há muitos mistérios para serem desvendados
Que muitas dores duram pouco e outras um pouco mais
Que esse mesmo beijo me mostre
Que perder só significa uma coisa:
Que eu nunca tive o que achava perdido
E se nunca foi meu,
Não há por que sentir falta
Mas, acima de tudo a certeza
De que a vida, embora muitas vezes madrasta
Nos oferece “segundas” chances
Para amar, para acarinhar,
Para sorrir, para chorar,
Para viver, para sonhar…