Eti-quê?


Eti-quê?!

A Etiqueta moderna, adaptada ao século XXI, nada tem de parecida com a antiga etiqueta, de regras rígidas de comportamento. Hoje, a palavra refere-se muito mais à qualidade do relacionamento entre as pessoas.

Na prática, funciona como um código de comportamento globalizado.

Hoje, com toda a sorte de facilidades tecnológicas ao nosso alcance, a comunicação nunca foi tão fácil: povos de diferentes culturas, profissões, idades e interesses conectam-se com uma eficiência impressionante.

No entanto, essa facilidade de comunicação sem precisar sair da sala causou um efeito contrário na comunicação “pessoal”, ao vivo: quando precisam participar de reuniões, um evento de negócios, um casamento ou até um simples encontro entre homem e mulher, as pessoas literalmente “perderam a prática” de como se faz.

A arte do convívio era dominada pela geração dos nossos avós, justamente pelo fato de que, na falta de telefones e e-mails, as pessoas acabavam se visitando com muita freqüência. E sabiam conversar. Coisa que hoje – por incrível que pareça – pode não ser mais tão fácil para os mais jovens.

Para isso serve a Etiqueta moderna: ela funciona como uma linguagem comum a todos os povos. É um conjunto de gestos e atitudes, identificável mesmo entre pessoas de países e interesses diferentes que facilitam e permitem uma comunicação mais fácil, segura e eficiente. Seja pessoalmente ou via Internet. “Netiqueta” já é uma realidade.

A Etiqueta ao contrário do que se imagina, não é um conjunto de normas rígidas e sem sentido. Ela facilita a vida, na medida que é sempre baseada em princípios como:
– bom senso
– naturalidade
– afetividade

Bom senso – todos temos e ele dificilmente nos falha. Devemos aprender a confiar mais em nosso bom senso.

Naturalidade – se a situação for muito nova ou desconhecida, se algo lhe parecer fora de contexto, não hesite em perguntar, tirar sua dúvida mesmo. Em geral, as pessoas tem um enorme prazer em ajudar e ninguém é obrigado a conhecer tudo sobre todas as coisas o tempo todo.

Afetividade – é preciso incorporar a atenção ao bem estar das outras pessoas. Desta forma não há como errar. No sentido de perceber se a outra pessoa estar confortável, sendo bem atendida ou recebendo atenção. Esse tipo de gentileza em um mundo onde a pressa e eficiência dominam a cena pode ser preciosa e muito notada.

Deste modo não há como falhar? – as chances diminuem sensivelmente. É claro que algumas situações pedem um comportamento mais específico, e há momentos em que faz-se necessário prestar mais atenção, estar mais alerta para não pisar na bola e cometer uma gafe.

Qual a utilidade prática da etiqueta? – Hoje ela é o diferencial para qualquer ambiente: social ou profissional. No social, porque, alguém que cultive qualidades como cortesia, atenção e percepção torna-se muito mais atraente para se conviver.
No plano profissional – não basta ser um craque em determinada área. Hoje, esse é o requisito básico, o mínimo esperado de qualquer profissional. O que vai diferenciar dois craques na mesma área será justamente essa qualidade de transitar com elegância em qualquer ambiente, e se relacionar com pessoas independente da hierarquia, dominando os diferentes códigos culturais e atravessando fronteiras.

Cortesia no dia-a-dia

Qualidade de vida é fundamental, mas quase ninguém pára para pensar que a vida pode ser muito melhor e mais simples se incorporarmos pequenos gestos e atitudes que podem fazer a maior diferença no nosso cotidiano e – claro – também na vida. Ser cortês no trabalho, em casa ou em qualquer outro lugar fará com que você receba de volta, pelo menos, um sorriso. E isso, também pode melhorar seu dia, seu humor, sua vida.

  • Abrir a porta do carro para a sua namorada ou amiga não é apenas um ato elegante em desuso. É uma forma de cortesia que demonstra o seu respeito e carinho pela pessoa.
  • No trabalho sempre que for buscar um café ou água, não custa perguntar se alguém quer e trazer com prazer – pelo menos para quem senta ao lado ou os colegas mais próximos.
  • Mesmo que você não fume, esvazie os cinzeiros de quem senta perto ou mesmo em casa. E, claro, faça-o sem reclamar ou cara feia…
  • Ainda sobre reclamar – há pequenos inconvenientes no dia-a-dia que realmente incomodam: ter que manobrar o carro na garagem para dar passagem a outro, ou tirar o lixo de casa. Estes são exemplos prosaicos, no entanto, como são inevitáveis, é melhor que encaremos com um certo humor, sem fazer pesar a quem está perto o “sacrifício” que estamos fazendo.
  • Ser cortês também está ligado a não ser folgado… Por isso, no carro de alguém ou mesmo em casa, não mude o canal da TV ou a estação de rádio sem consultar o dono do carro ou as pessoas que estão junto. E lembre-se: por favor e obrigado são palavras essenciais…
  • Em supermercados não faltam ocasiões para ser gentil. Deixe aquela senhora ou senhor idoso passar na frente na fila dos frios ou da carne. Mas, principalmente, na fila do caixa quando você está com o carrinho lotado e atrás de você está uma pessoa com um ou dois volumes a mais do que o permitido no caixa expresso – dê um sorriso e deixe passar.
  • Você sabe que seu colega adora determinada bala, bombom ou bolacha. Se, de vez em quando você aparecer com alguns para ele(a) pode ter certeza que não vai parecer uma cantada, mas sim que você é uma pessoa que pensa e sabe dar atenção aos outros – entre outras coisas.
  • Saindo da sua garagem, em esquinas ou em cruzamentos, mesmo que esteja com pressa, vá com calma e deixe o nervoso, atacado ou estressado, seguir na sua frente. Em vez de buzinar, xingar e fazer cara feia. Sorria e pense em seu bem estar. Nada é mais importante que o seu bom humor.
  • Se você utiliza o transporte público, de bom dia ao motorista, cobrador… Não custa nada e você ainda corre o risco de receber um Bom dia de volta!
  • Para os homens ser gentil com as mulheres é uma questão de princípios. E não apenas com aquela na qual está interessado. É essencial a cortesia em todos os momentos e até mesmo no modo de falar ou pedir alguma coisa, principalmente em cargos de chefia.
  • Você vê aquele casal lutando com o carrinho de bebê na escada rolante e o outro filho pela mão. Custa ajudar com o carrinho ?
  • Depois de ir a um jantar na casa de seu amigo(a) ou chefe é extremamente gentil e sempre bem-vindo ligar para agradecer o convite, completando que adorou o jantar.
  • Procure incorporar a cortesia em sua vida. No elevador, em filas, e principalmente em lugares difíceis ou situações de crise. Essa é a diferença entre o sujeito insignificante, igual a todos e aquele de quem todo mundo lembra quando quer companhia…

Pense nisso!